Pages

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Limites

Nós, seres humanos, temos um sério problema de querer ser o que não somos. Isso se reflete quando achamos que temos capacidade de fazer qualquer coisa. Mas, quando, por um ou outro motivo, somos impossibilitados de fazer aquilo que achávamos que faríamos, nos frustramos profundamente.

Em momentos assim, vemos nossa pequenez, nossa finitude. Vemos de forma bem clara os nossos limites. Vemo-nos como seres que só podem ir até um certo ponto. Depois dele, não podemos. “Você não pode!” é uma expressão difícil de escutar atualmente, já que as mídias estão por aí divulgando a supervalorização do “eu”.

“Você é importante, potencialize suas capacidades!”, “Você pode mais!”. Essas e outras frases vemos por aí anunciando super-homens e super-mulheres para os quais o céu é o limite.

Mas há aqueles momentos em que as circunstâncias nos traem e que vemos as nossas próprias fronteiras. Nesses momentos, os super-herois veem seus poderes serem ceifados.

Bom mesmo é crer em Deus, o único soberano e onipotente. Ele que é o próprio criador das circunstâncias. Não precisamos lhe dar um prefixo de “super-Deus”. Não. Seu próprio nome já diz quão imponente Ele é. Nas horas em que nossos limites vierem à tona, olhemos para Ele, o Senhor Todo-Poderoso. Para Ele, não existem tarefas inatingíveis, inexequíveis ou inviáveis.

Glórias ao Deus para Quem nada é impossível!

“Eis que eu sou o SENHOR, o Deus de todos os viventes; acaso, haveria coisa demasiadamente maravilhosa para mim?” (Jr 32.37)

Em Cristo,

Felipe Prestes

2 comentários:

Karla disse...

O passo mais importante é, agindo em comunhão com o Senhor, reconhecermos as nossas limitações, deixarmos o orgulho de lado e descansarmos Naquele que conhece nossas mentes, nossos corações e intenções.

Débora disse...

Ter alguém orientando onde exatamente andar e o que fazer, deveria ser perfeito motivo de alegria a todos. Afinal, quem nos guia é a mão daquEle que sabe de todas as coisas. Estamos em mãos seguras.

Abandono... acho que é essa a palavra certa. Só venceremos os limites que ainda nos separam da vontade do nosso Deus quando soubermos o que é de verdade estar em plenitude nos Seus braços.
Posso dizer que é muito bommmmm!!! rsrsrsrs

“Que eu te conheça, ó conhecedor meu! Que eu também te conheça como sou conhecido! Tu, ó força de minha alma, entra dentro dela, ajusta-a a ti, para a teres e possuíres sem mancha nem ruga.”
(Agostinho)