Pages

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Dízimo do tempo



"Pensai nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra" (Cl 3.2)

Hoje, depois de ler um livro que falava sobre a importância da meditação nas coisas espirituais, pensei um pouco mais a fundo sobre o tempo que Deus nos dá. Na verdade, de tudo que recebemos de Deus, nós somos despenseiros. Um dia, prestaremos conta de tudo o que Ele nos deu. Lembramos dessa prestação de contas todos os meses quando depositamos o nosso dízimo no gasofilácio da igreja. Naquele momento, estamos claramente devolvendo a Deus uma pequena parcela do tudo que Ele nos tem dado.

Mas pensei também em algo que poderia ser chamado de dízimo do tempo. Fiz o cálculo e vi que 10% das horas do nosso dia é igual a 2 horas e 24 minutos. Levando em conta o princípio básico que é Deus quem nos dá tudo, e que devemos Lhe oferecer as primícias, por que temos tanto problema em dar o nosso tempo a Deus, usando esses momentos pra meditar na Sua Palavra, no Seu Ser e na Sua Obra?

Uma vez falei a um irmão que João Calvino orava cerca de 3 horas por dia. O irmão disse que isso era naquela época em que as pessoas tinham mais tempo. Mas o fato é que o grande reformador escreveu, além das Institutas, uma vasta literatura cristã, pregava pelo menos 4 vezes por semana, além de muitas outras atividades que exercia. Tudo isso sem carro, sem computador e outras tecnologias que nos ajudam a gastar menos tempo.

Não vejo uma diferença de épocas. Vejo uma diferença de disposição. Calvino e outros que fizeram grandes coisas pela Obra do Senhor tinham a mesma característica: investiam muito do seu tempo meditando das coisas do alto. Assim, podiam quase entrar nos bastidores celestes e entender o que Deus queria para suas épocas e, assim, investir o que tinham para cumprir a vontade do Senhor.

Quanto do nosso precioso tempo temos investido naquilo que Deus valoriza? Será que chegaria ao dízimo do tempo de um dia?

Deus nos tem dado. O que temos feito?

Em Cristo,

Felipe Prestes

Um comentário:

Carlos Bezerra disse...

Eita Felipão esta foi muito boa viu. Um dízimo do nosso tempo é realmente um desafio e tanto. Há muito tempo penso exatamente nisto. Muito obrigado pelo lembrete.
Abração